Novidades

Mal de Alzheimer: novidades sobre prevenção e tratamento

Neurologista explica o que se sabe de novo sobre tratamentos e explica que há fatores que contribuem para a prevenção do Mal de Alzheimer.

A Doença de Alzheimer é um conhecido transtorno neurodegenerativo progressivo e fatal que se manifesta pela deterioração cognitiva e da memória. O resultado é o comprometimento progressivo das atividades de vida diária e uma variedade de sintomas neuropsiquiátricos e de alterações comportamentais.

Ela é estudada no mundo inteiro e pesquisadores estão em busca de respostas relacionadas a diagnósticos e tratamentos precoces, vacinas e mais informações que possam contribuir para prevenção e combate.

Leia também:

A Agência Adventista Sul-Americana de Notícias (ASN) conversou com um especialista no assunto sobre o que de mais atual se sabe a respeito. O entrevistado é o médico Christian Ximenes. Há 23 anos na área, é neurologista, doutor em neurociência e professor universitário. Atualmente, trabalha na Universidade Estadual do Ceará e Hospital Geral de Fortaleza.

O que é a doença?

Em linhas gerais, o que se sabe atualmente sobre os prejuízos causados pelo Mal de Alzheimer ao organismo humano?

A Doença de Alzheimer se enquadra no grupo de doenças chamadas de neurodegenerativas; elas são caracterizadas pela degradação de neurônios em áreas específicas do cérebro e essa degradação se espalha depois para o restante do órgão.

No caso do Alzheimer, a área de início é o hipocampo, uma região de grande importância para formação de nossas memórias. No início, o paciente idoso começa a ter dificuldade de formar novas memórias, a esquecer coisas que aconteceram recentemente (onde guardou algo, por exemplo). Com a evolução da doença, começa a comprometer também as memórias mais antigas, bem como a orientação espacial (localização em lugares). Na fase mais avançada, até as funções mais básicas como locomoção e alimentação (engolir alimentos) fica comprometida.

Existe algum tipo de informação sobre possíveis medidas ou comportamentos que podem, de alguma forma, contribuir para a prevenção desta doença?

Sim. Estudos mostram que pelo menos 40% dos casos de Alzheimer podem ser evitados se fizermos a coisa certa. Para “atacar” esses fatores de risco, são importantes algumas ações: evitar a hipertensão, a obesidade e o diabetes; não fumar nem beber bebidas alcoólicas; evitar qualquer atividade que leve a pancadas na cabeça; manter atividade física regular; procurar lugares com menos poluição e evitar ser fumante passivo; prover educação para nossas crianças e jovens e evitar qualquer coisa que leve ao risco de perda da audição e, caso ocorra perda, tratá-la adequadamente.

Rede de apoio da família

Qual é a importância de uma rede de apoio a doentes do Mal de Alzheimer, especialmente no ambiente familiar?

A Doença de Alzheimer não afeta apenas o doente, mas todos na família. O tratamento precisa ser feito por uma equipe multidisciplinar que vai tratar e orientar não somente o paciente, mas quem cuida dele também. Os grandes centros já possuem locais onde há avaliação e suporte dos pacientes e famílias. Além disso, existem grupos de suporte em muitas cidades, onde cuidadores podem, portanto, encontrar a empatia de outros que já passaram ou passam pela mesma situação. A ABRAz (Associação Brasileira de Alzheimer) é uma instituição que provê muitas dessas informações e pode ser encontrada no site abraz.org.br.

Em relação a diagnóstico e tratamento, há algum tempo tem-se falado sobre uma possível vacina e, também, a respeito de exame de sangue, que poderia detectar com maior rapidez a enfermidade. O que se sabe, de maneira concreta, sobre a eficiência e desenvolvimento destes passos?

Hoje, o diagnóstico é feito de forma indireta por meio do exame clínico do médico, geralmente um neurologista, acrescido de alguns exames de imagem que irão corroborar ou não a suspeita. Os estudos sobre um novo método de diagnóstico, na forma de um exame de sangue, estão em fase avançada, porém dependem muito de conseguirem tornar o exame mais acessível do ponto de vista técnico e financeiro.

O tratamento com uma vacina procura evitar o acúmulo das substâncias tóxicas que levam à morte dos neurônios na Doença de Alzheimer. Os estudos relativos à vacina, no entanto, estão em um estágio menos avançado que o exame de diagnóstico. Provavelmente, a vacina, caso se concretize, vai demorar um pouco mais.

Facebook Comments

sobre saude7 saude7

Avatar

Além disso, verifique

Curso oferece ferramentas para lidar com problemas

Aumento no índice de diagnóstico de depressão e ansiedade durante a pandemia traz preocupação aos …

Deixe uma resposta

×

Portal Saúde comciência

Cuidar da Saúde é o Princípio de Deus...

× Atendimento Online!